Zé Moleza | TCC, monografias e trabalhos feitos. Pesquise já!

Você está em Trabalhos Acadêmicos > Sociais Aplicadas > Biblioteconomia

Favoritos Seus trabalhos favoritos: 0


Publicidade

Trabalho em Destaque

Título: A Proteção Social

1 INTRODUÇÃO O nascedouro foi em 1883, na Alemanha com o Chanceler Bismarck. Foi um marco tanto da Seguridade Social como da Previdência Social (primeiro sistema escrito de previdência social – seguro social). A forma de contribuição ou custeio para…


Publicidade

Classificação Decimal de Dewey: Proposta de Desdobramento para a Extensão da Classe 261 ? Teologia Social

Trabalho enviado por: Micheli Antonia Oshima

Data: 12/04/2006

Classificação Decimal de Dewey: Proposta de Desdobramento para a Extensão da Classe 261

Marília

2005


A Deus, aos meus pais e aos meus amigos... companheiros de todas as horas...


AGRADECIMENTOS

Agradeço a Deus, pois Ele me iluminou na hora de escolher o tema deste trabalho... e por confirmar a minha vontade de estudar Teologia...

Aos meus pais, Paulo e Teresa, pela confiança e motivação... por acreditarem que era possível eu me virar sozinha fora de casa... amo muito vocês!!!

As minhas irmãzinhas, Malu e Mel, pela compreensão... pelo mau humor quando alguma coisa não dava certo... por me apropriar do PC toda vez que voltava para casa ... Adoro vocês!!!

A minha orientadora, Profa. Maura, braço amigo de todas as etapas deste trabalho... pelos bate-papos durante as orientações... pelo apoio e incentivo sem o qual esse trabalho não seria possível...

A Profa. Mariangela... por suas contribuições na qualificação e por ser tão prestativa...

Ao Prof. José ... por aceitar participar da banca... e por falar em suas aulas que é possível elaborar um TCC sobre algo que realmente se gosta...

Ao Prof. João Batista... por responder as minhas dúvidas enviadas por e-mail...

Ao Pe. Wagner ... por aceitar participar da banca... e pelas contribuições...

Aos demais professores do Departamento de Ciência da Informação... que tiveram fundamental importância na minha formação acadêmica...

A Luzinete... por solucionar muitas das minhas dúvidas quanto à normalização...

As meninas da CGB, Zeza, Cássia e Dilnei... pela oportunidade do estágio... e pelo conhecimento adquirido... e aos estagiários... Rafael (grande amigo), Marta, Sumeire, Boi, Fabrício, Rosangela (pra quem conto meus segredinhos), Inaiara, Marcelo, Andréia, Cris e Débora... nunca vou me esquecer do pão com mortadela e tubaina todas as tardes...

Ao pessoal do CEVAP de Botucatu, Dra. Sílvia, Karina, Selma, em especial o Dr. Benedito... pela credibilidade a mim depositada e por valorizar o profissional bibliotecário...

A Elizete (Sumizete!!!)... que sempre buscou meus trabalhos na Seção de Comunicações...

A Juliana, bibliotecária da FAJOPA... uma das responsáveis pela motivação por este estudo. Se não fosse a oportunidade de classificar durante o estágio, provavelmente este trabalho não teria saído... e também por todo o material emprestado (e foram muitos!), por estender os prazos de devoluções, por tirar minhas dúvidas... e aos meninos do seminário, tão queridos... meu co-orientador Rogério... pelas dicas e conselhos (não só relacionados ao TCC, como também pra minha vida)... ao Edson, por me emprestar os livros, pelas cervejadas e micos!... ao Sílvio, pelas apostilas cedidas, ao Jorge Ricardo, Cláudio, Pavan, Maurício, Donizeti, Hérculis... a todos que, com boa intenção, colaboraram para a realização e finalização deste trabalho.

Ao meu amigo não mais virtual Allan... por ser a pessoa que é: inteligente, gatinho e claro... muito fofo!!! Ao Igor (Miguxo), amigo pra todos os momentos... ao Japa, por ser louquinho como é... ao Jonas... pelos momentos de amizade e carinho... a Marcelli... por sua alegria de sempre... a Taís (minha terceira irmã).

Aos amigos de Feijó, que me fazem ter alguns anos a menos... Bruninho (meu irmãozinho de coração), Ivan, Lekinho (cunhadinho), Tonho, Laizão, "Cabeças"... obrigada pela bagunça de sempre... adoro todos vocês!!!

Aos eternos amigos de Epitácio... pelos grandes momentos que passamos juntos... Juliane (Touquinha!!!), Domenice, Jú Maria, Loló, Nelson... a faculdade nos separou em distância, mas nunca deixaremos de ser menos amigos por conta disso... Muitas saudades... Nos vemos na formatura!!!

Aos amigos conquistados nesses quatro anos... pela força e pela vibração em relação a esta jornada... juntos trilhamos uma etapa importante de nossas vidas... amigos, companheiros e cúmplices de momentos que serão inesquecíveis... Sílvia (aluna exemplo, grande amiga, partilhou dos momentos mais marcantes durante a faculdade) Thaís (amiga pra todas as horas... telefone, caminhada, fofoca), Milene (quebra-barraco!), Tatá (esse é o cara!), Jeam (Antonio Banderas), Cebola (Superpop), Aline Bertonsex...

E aos demais colegas de curso... Cibeli, Ana Paula, Maria Carolina, Roberta, Valquíria, Ísis, Alessandra, Aline, Cássio, Dayanni, Gabi, Hadassa, Jana, Luciene, Luba, Ana Cláudia, Lílian, Cacá... aos que, por algum motivo, tiveram que nos abandonar... Jussara, Thales, Auro... se esqueci de alguém, por favor me desculpem... essa foi a parte mais difícil do trabalho!!!

Aos amores da minha vida, que nada representam diante de você amor da minha vida...

Aos que, de alguma forma, contribuíram para que eu amadurecesse e me tornasse o que sou hoje, ainda mais determinada e disposta a vencer na vida.

Enfim, muito obrigada a todos!!!


"Só peço para ser livre. As borboletas são livres"

CHARLES DICKENS

 

Amanhã eu vou revelar

Depois eu penso em aprender

Daqui a uns dias eu vou dizer

O que me faz querer gritar

No mês que vem tudo vai melhorar

Só mais alguns anos e o mundo vai mudar

Ainda temos tempo até tudo explodir

Quem sabe o quanto vai durar

Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar

Não deixe nada pra semana que vem

Porque semana que vem pode nem chegar

Pra depois, o tempo passar

Não deixe nada pra semana que vem

Porque semana que vem pode nem chegar

A partir de amanhã eu vou discutir

Da próxima vez eu vou questionar

Na segunda eu começo a agir

Só mais duas horas pra eu decidir

Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar

Não deixe nada pra semana que vem

Porque semana que vem pode nem chegar

Pra depois, o tempo passar

Não deixe nada pra semana que vem

Porque semana que vem pode nem chegar

Esse pode ser o último dia de nossas vidas

Última chance de fazer tudo ter valido a pena

Diga sempre tudo que precisa dizer

Arrisque mais, pra não se arrepender

Nos não temos todo o tempo do mundo

E esse mundo já faz muito tempo

O futuro é o presente e o presente já passou

O futuro é o presente e o presente já passou

(Semana que vem/PITTY)


Tem lugares que me lembram

Minha vida, por onde andei

As histórias, os caminhos

O destino que eu mudei

Cenas do meu filme em branco e preto

Que o vento levou e o tempo traz

Entre todos os amores e amigos

De você me lembro mais

Tem pessoas que a gente

Não esquece nem se esquecer

O primeiro namorado

Uma estrela da TV

Personagens do meu livro de memórias

Que um dia rasguei do meu cartaz

Entre todas as novelas e romances

De você me lembro mais

Desenhos que a vida vai fazendo

Desbotam alguns, uns ficam iguais

Entre corações que tenho tatuados

De você me lembro mais

De você, não esqueço jamais!

(Minha vida/Rita Lee)


RESUMO

A finalidade da classificação em bibliotecas é organizar o conhecimento apresentado em livros e outros meios para que sejam consultados. Tendo em vista o volume de informações existentes na área de Religião, o bibliotecário, responsável por informar de maneira eficiente, deve procurar a forma mais prática de controlar essa literatura. O profissional deve conhecer o assunto a ser classificado e classificá-lo de maneira correta. É causa de frustrações para o usuário a demora e a falta de especificidade na recuperação de informações de assuntos específicos, como é o caso da Teologia da Libertação. Partindo do princípio que os sistemas de classificação são ferramentas essenciais para a organização documental, aponta-se como problema dessa pesquisa a falta de desdobramentos para a extensão do assunto Teologia da Libertação na Classificação Decimal de Dewey (CDD), o que pode levar a não recuperação da informação devido à ausência de especificidade dessa classe. Sendo assim, propõe-se o desdobramento da extensão desse assunto na 22ª ed. da CDD, 2003, através da inserção de cabeçalhos adequados e desdobramento hierárquico, garantindo maior especificidade na organização dos documentos da área. Objetiva-se mostrar a necessidade de desdobrar a extensão da CDD para o tema, tendo como procedimentos a caracterização temática da área e a identificação e hierarquização dos termos, além de criar números específicos que melhor representarão o conteúdo dos documentos, possibilitando que os materiais bibliográficos que se referem ao assunto sejam classificados especificamente, facilitando sua recuperação pelo usuário. Para a inserção de novos assuntos no sistema, fez-se necessário um levantamento bibliográfico rigoroso sobre o tema, visando levantar conceitos e termos. Para o levantamento dos termos específicos, foi utilizado como critério de escolha, termos que realmente fossem importantes, apoiando-se na literatura. Identificados os conceitos, passamos a estruturá-los de forma hierárquica e analisamos onde exatamente esses termos se encaixariam na CDD, verificando inclusive qual a notação adequada para cada termo. Finalmente, identificados os termos relevantes ligados ao assunto e designado números específicos para esses termos, desdobra-se o tema da Teologia da Libertação, e chega-se a uma extensão hierárquica, baseada nos moldes da CDD. Conclui-se que, o desdobramento realizado possibilitará que os materiais que tratam da Teologia da Libertação sejam classificados adequadamente, beneficiando o usuário especializado. Com essa experiência, sugerimos que o profissional deve adequar os sistemas de classificação já existentes para a realidade da Unidade de Informação a qual está inserido, conhecer sua estrutura básica e fazer as devidas aplicabilidades de uso como a que propomos aqui, pois os desdobramentos específicos de fazem necessários.

Palavras-chave: classificação bibliográfica, Classificação Decimal de Dewey (CDD), classificação-desdobramento, Teologia da Libertação-extensão decimal.

ABSTRACT

The purpose of the classification in libraries is to organize the knowledge presented in books and other ways so that they are consulted. Considering the volume of existing information in the area of Religion, the librarian, responsible for informing in efficient way, must seek the form most practical to control this literature. The professional must know the subject to be classified and to classify it correctly. This is the cause of frustrations for the user the delay and the lack of specificity in the recovery of information of specific subjects, as it is the case of the Theology of the Release. Understanding the classification systems are essential tools for the documentary organization, we point as problem of this research the lack of unfoldings with respect to the extension of the subject Theology of the Release in the Classification Decimal of Dewey (DDC), what it can cause not the recovery of the information due to absence of specificity of this class. That way, the unfolding of the extension of this subject in 22ª is considered ed. of DDC, 2003, through the insertion of adequate heading and hierarchic unfolding, guaranteeing better specificity in the organization of documents of the area. We have as objective to show the necessity to unfold the extension of the DDC for the subject, having as procedures the thematic characterization of the area and the identification and hierarchic of the terms, besides creating specific numbers that better will represent the content of documents, making possible that the bibliographical materials that if they relate to the subject they are classified specifically, facilitating its recovery for the user. For the insertion of new subjects in the system, a bibliographical survey became necessary rigorous on the subject, aiming at to raise concepts and terms. For the survey of the specific terms, it was used as criterion of choice, terms that really were important, supporting itself in literature. Identified the concepts, we start to structuralize them of hierarchic form and analyze where accurately these terms if would incase in the DDC, also verifying which the notation adjusted for each term. Finally, identified the on excellent terms to the subject and assigned specific numbers for these terms, the subject of the Theology of the Release is unfolded, and is arrived it a hierarchic extension, based in the molds of the DDC. One concludes that, the carried through unfolding will make possible that the materials that deal with the Theology of the Release are classified adequately, benefiting the specialized user. With this experience, we suggest that the professional must adjust the existing systems of classification already for the reality of the Unit of Information which is inserted, to know its structure basic and to make the due applicabilities of use as the one that we consider here, therefore the specific unfoldings of make necessary.

Key-words: bibliographical classification, Classification Decimal of Dewey (CDD), classification-unfolding, Theology of the Release-extension decimal.


LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

AD Análise Documentária

CDD Classificação Decimal de Dewey

CEBs Comunidades Eclesiais de Base

CELAM Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano

DSI Doutrina Social da Igreja

FAJOPA Faculdade João Paulo II

LDs Linguagens Documentárias

PI Profissional da Informação

TdL Teologia da Libertação

UI Unidade de Informação


"Qualquer trabalho científico, qualquer descoberta, qualquer invenção é um trabalho universal. Ele está condicionado, em parte pela cooperação de contemporâneos, em parte pela utilização do trabalho de seus predecessores"

K. MARX


1 INTRODUÇÃO

O presente trabalho está inserido na linha de pesquisa Organização da Informação, tem como tema as Linguagens Documentárias Hierárquicas, cuja delimitação é o "desdobramento da classe 261 da Classificação Decimal de Dewey (CDD) no assunto Teologia da Libertação (TdL)".

As Linguagens Documentárias (LDs) são conjuntos de termos utilizados para representar conteúdos de documentos técnico-científicos, visando a classificação ou busca retrospectiva de informações. As linguagens de estrutura hierárquica (representadas pelas classificações) fazem parte das linguagens documentárias, e são assim denominadas por apresentarem relações hierárquicas, no qual cada termo é superior ao termo seguinte dentro de um conjunto.

Na classificação, dois aspectos devem ser considerados: a classificação como sistema já organizado, isto é, como esquema dos conhecimentos, e a classificação como técnica, como arte de assegurar aos livros, ou a qualquer outro material, seu lugar exato de acordo com seu conteúdo. A finalidade da classificação em bibliotecas é organizar o conhecimento como apresentado em livros e outros meios para que seja eventualmente consultado.

Ao bibliotecário, cabe enfrentar os desafios que lhe são apresentados. Tendo em vista o volume de informações existentes na área de Religião, torna-se impossível ao usuário manter-se atualizado em todos os aspectos no âmbito de seu interesse. O bibliotecário deve procurar as formas mais práticas e eficientes de controlar essa literatura, de modo a colocá-la ao alcance dos usuários. Podemos citar como causas de frustrações do usuário a demora e a falta de especificidade na recuperação de informações de assuntos específicos, como é o caso da TdL. A área da Religião, especificamente, exige do bibliotecário algum conhecimento do assunto. Com a prática, o bibliotecário poderá familiarizar-se com o tema, de modo a dar conta de sua responsabilidade em informar de maneira eficiente.

Partindo do princípio que os sistemas de classificação são ferramentas essenciais para a organização documental, apontamos como problema desta pesquisa a falta de desdobramentos para a extensão do assunto TdL, que ainda não está na CDD, pois o sistema não previu uma notação para este tema, o que pode levar à não recuperação da informação. As obras que tratam deste assunto geralmente são classificadas na notação 261.8 (Cristianismo e problemas socioeconômicos) ou simplesmente 261 (Teologia Social). O material bibliográfico é classificado, então, de forma genérica.

A notação 261 é um número que diz respeito a trabalhos sobre a Moral, a Civilização: há relação entre a Igreja e o serviço civil. Colocamos aqui, portanto, a Sociologia cristã.

Sendo assim, a proposta desta pesquisa foi desdobrar a extensão do assunto TdL na 22. ed. da CDD, através da inserção de cabeçalhos adequados e desdobramento hierárquico do mesmo, garantindo maior especificidade na organização dos documentos especializados da área, trazendo ao usuário benefícios no que diz respeito à localização documental de termos como opressão, pobreza, repressão, classes sociais, entre outros. Desse modo, geramos um produto específico: uma extensão hierárquica para o assunto TdL.

Para concluir o propósito desta pesquisa, tivemos por objetivo o desenvolvimento de um estudo visando discutir a necessidade de desdobrar a extensão da CDD para este tema, tendo como procedimentos a caracterização temática da área (conceitos e objetivos) e a identificação e hierarquização dos termos. Após o desenvolvimento desse estudo foi possível criar os números específicos que melhor representarão o conteúdo dos documentos que abordam o assunto. O desdobramento realizado na CDD possibilitará que os materiais bibliográficos que tratam da TdL sejam classificados adequadamente (específicos, único entre os demais), facilitando sua recuperação e uso pelo usuário. Através de questionário, realizamos junto a seis alunos do curso de Teologia da Faculdade João Paulo II (FAJOPA) uma avaliação prévia, para entendimento do desdobramento proposto. A mensuração do questionário encontra-se descrito na Metodologia (Capítulo 4).

Buscamos com esta pesquisa contribuir especialmente com aqueles a quem se destina a classe 200 (Religião) da CDD: aos eclesiásticos e religiosos, que devem manter em ordem uma vasta documentação de caráter teológico e científico, referente às suas funções religiosas, morais, educativas e sociais.

O interesse por desenvolver este estudo surgiu de um estágio realizado na biblioteca da FAJOPA, Unidade II. Por se tratar de uma instituição voltada para o curso de Teologia, sua biblioteca é especializada em Religião. De acordo com o plano de atividades elaborado pela bibliotecária, pôde-se desenvolver todos os serviços que um bibliotecário deve desempenhar, inclusive a classificação. Desse modo, foi possível conhecer um pouco mais a respeito dos temas que a área abrange, e a partir dessa relação (classificação – religião), foi percebida algumas falhas no sistema de classificação utilizado pela instituição – a CDD (por exemplo, a falta de especificidade para alguns assuntos), fato que levou este pesquisador a elaborar este estudo, visando ressaltar os problemas do sistema. O projeto tornou-se viável, tendo em vista que um dos procedimentos foi a busca de materiais que se referiam a TdL, o que pode ser feito na biblioteca da FAJOPA, por reunir uma coleção que ofereceu dados à realização desta pesquisa.

Este trabalho foi elaborado em 6 capítulos, como segue:

O capítulo 1 apresenta, de forma geral, o que será tratado neste trabalho. No capítulo 2, elaboramos uma explanação a cerca das linguagens documentárias hierárquicas, tendo em vista a classificação, o ato de classificar e a classificação de Dewey. No capítulo 3, buscamos apresentar os fundamentos da Teologia. Ainda nesse capítulo falamos sobre a TdL, sua origem, estrutura e métodos. O capítulo 4 apresenta os procedimentos metodológicos adotados para a realização desta pesquisa. No capítulo 5 apresentamos o desdobramento da extensão para o assunto TdL. No capítulo 6 realizamos as considerações finais a cerca deste trabalho.

A seguir, vamos falar da importância da Análise Documentária (AD), sobre as LDs, as linguagens documentárias hierárquicas e a classificação.

"Os classificadores de coisas, que são aqueles homens de ciência cuja ciência é só classificar, ignoram, em geral, que o classificável é infinito e portanto se não pode classificar. Mas o em que vai meu pasmo é que ignorem a existência de classificáveis incógnitos, coisas da alma e da consciência que estão nos interstícios do conhecimento"

Fernando Pessoa


2 LINGUAGENS DOCUMENTÁRIAS: AVALIAÇÃO DA LINGUAGEM DOCUMENTÁRIA HIERÁRQUICA CDD

Abordamos neste capítulo o papel da informação dentro da AD, no que diz respeito ao seu tratamento e organização. Falamos também sobre as LDs, as linguagens documentárias hierárquicas, o processo de classificação, o ato de classificar e os sistemas, destacando a CDD, instrumento de estudo da nossa pesquisa.

A informação cumpre papel de extrema importância na direção da humanidade, pois ela está diretamente ligada ao conhecimento e ao desenvolvimento de todas as áreas do saber, uma vez que todo conhecimento se inicia por algum tipo de informação e se constitui em informação.

De acordo com Figueiredo (1990, p. 123), "parece não haver mais dúvidas de que a informação é um dos recursos básicos para o desenvolvimento em qualquer campo do conhecimento e da atividade humana".

O conceito de informação é falado em distintas áreas do conhecimento, podendo a relação informação/conhecimento ser observada a partir de três aspectos que se complementam:

  • Enquanto o conhecimento é estruturado, coerente e freqüentemente universal, a informação é atomizada, fragmentada, particular;
  • Enquanto o conhecimento é de duração significativa, a informação é temporária, transitória, talvez mesmo efêmera;
  • Enquanto o conhecimento é um estoque, a informação é um fluxo de mensagens (CINTRA, 2002, p. 20).

Cintra (2002, p. 20), afirma que "com efeito, o estoque de conhecimento é alterado com o input de novas informações, através de adições, reestruturações ou mudanças".

Para que o conhecimento da sociedade não se perca e possa ser partilhado, ele é registrado em algum suporte, passando a se compor num documento.

Cintra (2002, p. 21), nos diz que:

O desenvolvimento científico e tecnológico tem proporcionado à sociedade uma massa enorme de conhecimentos, portanto de documentos, que precisam ser tratados adequadamente, para que haja não só a divulgação, como também a criação de novos conhecimentos, cumprindo assim a rotina natural da própria ciência.

Assim, podemos constatar o papel fundamental da área da Documentação, que é responsável pela seleção, organização e conservação da informação, além de possibilitar o seu acesso.

A descrição do conteúdo, denominada AD, será apresentada a seguir.

2.1 Análise Documentária

Quando falamos em AD, precisamos mencionar o ciclo informacional enquanto base para o fazer documental. Temos como fases fundamentais e interdependentes a produção, o tratamento, a recuperação, a disseminação e o uso da informação que, por sua vez, poderá gerar nova produção, fechando o ciclo.

O tratamento (ou organização) da informação constitui-se, assim, etapa intermediária do ciclo e, portanto, deve garantir uma perfeita sintonia entre o produtor e o consumidor da informação, de modo que atue como ponte informacional. A essa etapa denominamos AD.

Para Cunha (1989, p. 40), "comumente a AD é definida como um conjunto de procedimentos efetuados com o fim de expressar o conteúdo de documentos, sob formas destinadas a facilitar a recuperação da informação".

Qualquer tipo de documento não pode ser registrado, em um sistema documentário, na sua forma original, devido a sua extensão, sua complexidade e sua apresentação, por isso existe a necessidade de representar o seu conteúdo que, de acordo com o método de análise utilizado (resumo, indexação ou classificação), dará origem a um produto secundário.

De acordo com Chaumier (1971, p. 15), a AD é uma "operação, ou um conjunto de operações, que se destina a representar o conteúdo de um documento numa forma diferente da sua forma original, a fim de facilitar a consulta ou a referenciação num estado posterior".

A partir dessas definições, podemos entender a AD como sendo um conjunto de procedimentos realizados com o intuito de representar conteúdos de documentos a fim de recuperar a informação.

No Brasil, a denominação AD passou a ser utilizada enquanto tratamento temático da informação, no qual se identificam, por sua vez, operações de duas ordens: a análise e a síntese documentária (GUIMARÃES, 2000).

Tem-se, pois, um conjunto de procedimentos de natureza analítico-sintética de modo a que podemos propor como conteúdo da área, os processos de análise do conteúdo temático dos documentos e sua síntese por meio da condensação ou da representação em LDs, com o objetivo de garantir uma recuperação rápida e precisa pelo usuário.

Visto o exposto, pode-se dizer que a AD, como atividade que trata da análise, síntese e representação da informação, tem por objetivos estabelecer uma ponte entre o usuário e o documento, fornecer subsídios ao processo de disseminação da informação e gerar produtos documentários (resumos e índices).

2.2 Linguagens documentárias

Entre as décadas de 50 e 60 ocorreu o crescimento do conhecimento científico e tecnológico, gerando um aumento no volume de documentos produzidos e publicados. Houve dificuldades para armazenar e recuperar as informações, e a solução encontrada foi a mudança do enfoque e da conceituação da recuperação da informação. Dessa necessidade de recuperação buscou-se a construção de linguagens próprias – utilização das LDs, substituindo a linguagem natural, que é a linguagem falada.

Vem desta época a utilização de LDs para a recuperação da informação. Essas linguagens são, pois, construídas para indexação, armazenamento e recuperação da informação e correspondem a sistemas de símbolos destinados a "traduzir" os conteúdos dos documentos (CINTRA, 2000, p. 33).

Quando se processa o tratamento da informação, as etapas utilizadas estão baseadas na utilização de uma determinada linguagem. Para Viscaya Alonso (1997 apud GUARIDO, 2001, p. 20):

O processamento da informação utiliza-se de linguagens e para tal, deve se certificar do papel da linguagem, como expressão não só do pensamento, como também da informação e, fundamentalmente, do papel das LDs, como uma das etapas do ciclo de vida da informação.

Através das LDs podemos representar, de maneira sintética, as informações materializadas nos textos. Podemos entendê-las como uma ponte entre a linguagem dos documentos e a linguagem das consultas dos usuários, promovendo a comunicação documentária.

As LDs – ou controladas – são conhecidas por diversas denominações, tais como: linguagens de indexação, linguagens descritoras, codificações documentárias (NOCETTI; FIGUEIREDO, 1978).

Para Gardin (1968 apud CINTRA, 2002, p. 35) "LDs são um conjunto de termos, providos ou não de regras sintáticas, utilizadas para representar conteúdos de documentos técnico-científicos com fins de classificação ou busca retrospectiva de informações".

Para o autor, as LDs devem integrar três elementos básicos:

  • Um léxico, identificado com uma lista de elementos descritores, devidamente filtrados e depurados;
  • Uma rede paradigmática para traduzir certas relações essenciais e, geralmente estáveis, entre os descritores. Essa rede, organizada de maneira lógico-semântica, corresponde a uma organização dos descritores numa forma que, lato sensu, se poderia chamar classificação; e
  • Uma rede sintagmática destinada a expressar as relações contingentes entre os descritores, relações essas que só são válidas no contexto particular onde aparecem. A construção de "sintagmas" é feita através de regras sintáticas destinadas a coordenar os termos que dão conta do tema

Gardin (1968 apud CINTRA, 2002, p. 35).

As LDs mais conhecidas são os tesauros e os sistemas de classificação bibliográficos. Os primeiros sistemas de classificação bibliográficos conhecidos são de natureza enciclopédica, e visam cobrir todo o espectro do conhecimento. Depois vieram as classificações facetadas, que visam domínios particulares. Os tesauros, originados das classificações facetadas, surgiram com uma preocupação a mais: o controle do vocabulário.

Segundo a sua organização interna, divide-se em duas as LDs: as de estrutura hierárquica e as de estrutura alfabética. A seguir, teremos uma apresentação das linguagens documentárias hierárquicas.

2.2.1 Linguagens documentárias hierárquicas

As linguagens hierárquicas são instrumentos de trabalho vinculados as necessidades de funcionamento de uma Unidade de Informação...

Para ver o trabalho na íntegra escolha uma das opções abaixo

Ou faça login



Crie seu cadastro




English Town