Zé Moleza | TCC, monografias e trabalhos feitos. Pesquise já!

Você está em Trabalhos Acadêmicos > Outras > Diversos

Favoritos Seus trabalhos favoritos: 0

Trabalho em Destaque

Título: A Proteção Social

1 INTRODUÇÃO O nascedouro foi em 1883, na Alemanha com o Chanceler Bismarck. Foi um marco tanto da Seguridade Social como da Previdência Social (primeiro sistema escrito de previdência social – seguro social). A forma de contribuição ou custeio para…


Publicidade


Publicidade

1 e 2 Guerras Mundiais e a Crise de 1929

Trabalho enviado por: Fernando Ferreira do Santos

Data: 22/04/2003

I Guerra Mundial


Também chamada Guerra Européia, ou I Grande Guerra, opôs, de 1914 a 1918, a Alemanha, império austro-húngaro e a Turquia, a uma coligação, afinal vitoriosa, de que participaram a França, o Reino Unido, EUA e outros países.

Conflito armado, também chamado Guerra Européia ou I Grande Guerra. Irrompeu a 28/07/1914 entre o império austro-húngaro e a Sérvia, logo se alastrando na luta, de um lado, as chamadas Potências Centrais, em especial a Alemanha, o império austro-húngaro e a Turquia; e, de outro, os 'Aliados', principalmente o Reino Unido, A França, A Rússia, A Itália e, mais tarde, os EUA.

CAUSAS E ANTECEDENTES................... ............ .. .............. ............ As causas da I Guerra Mundial estão principalmente na rivalidade comercial entre os grandes Estados europeus do séc. XIX. A demais, o sistema conhecido por 'equilíbrio europeu', surgido após as Guerras Napoleônicas (1815-15) e apoiado em uma série de alianças visando a um equilíbrio militar que impedisse agressões entre as potências da comunidade, só fez propiciar uma instável paz armada, preste, sempre, a explodir numa profunda convulsão político social. A ruptura do processo começou a tomar forma na coalizão dos pequenos estados germânicos da Europa Central no império germânico, sob Otto von Bismarck, que se lançou a uma agressiva política de expansão.

Para manter a hegemonia alemã, orientava-se a diplomacia de Bismarck pelo propósito de isolar a França. De 1872 a 1882, promoveu alianças e acordos com a Áustria, a Rússia e a Itália, destacando-se a chamada Tríplice Aliança germano-austro-italiana (1882) de caráter defensivo, com prazo de validade de cinco anos (várias vezes renovadas). Mantinha-se a Inglaterra em seu 'esplêndido isolamento'. Tinha más relações com a França, que se via, assim, também inteiramente isolada. Ascendendo Guilherme II ao trono da Alemanha, afastou Bismarck, modificou a orientação da política alemã e recusou renovar o pacto com a Rússia. Isso levou o czar Alexandre II a vencer sua antipatia pelo regime republicano e assinar, em 1893, o tratado de aliança franco-russo, reforçado por convenção militar secreta e pela ação do ministro francês Delcassé. Melhorou a situação política da França, e processou-se a reconciliação com a Itália, através de um tratado de comércio, um acordo colonial e um acordo político (1898-1902). A Inglaterra, após tentar em vão aproximar-se da Alemanha, alarmou-se com o programa naval e comercial do Kaiser e voltou-se para a França, com ela firmando o acordo de 1904, sobre o Egito e Marrocos.

Pela Entende Cordialei, assim estabelecida, prometiam-se ambas as potências apoio recíproco na solução de possíveis questões diplomáticas. Em 1907, logrou a França aproximar a Rússia e a Inglaterra. A partir de 1908, a expressão 'Tríplice Entende' serve para designar o bloco França-Inglaterra-Rússia, opondo-o, com freqüência, ao da Tríplice Aliança. Várias vezes tentou a Alemanha romper a "Tríplice Entende", donde a sucessão de crises (marroquina, balcânica etc.) que, de 1905 a 1914, agitaram a Europa, conduzindo-a à guerra. Bastou o incidente do assassinato, em Sarajevo, do arquiduque Francisco Ferdinand, herdeiro do trono da Áustria, para que se precipitasse a guerra mundial.

Eclosão e campanha da França....................... ............................... O homicídio, perpetrado por um nacionalista sérvio(28/06/1914), serviu de como pretexto para a Áustria declarar guerra à Sérvia (28/08), e em breve o conflito irrompia por toda a Europa. Em 1º-VIII, a Alemanha declarou guerra à Rússia, que havia disposto seus exércitos na fronteira austro-germânica; dois dias depois invadiu a Bélgica, cuja neutralidade reconhecera, procurando atingir as fronteiras da França pelo norte. Isso causou o ingresso da Inglaterra no conflito(4/08). Dominada a Bélgica, o exército alemão correu célere pela França, detendo-se apenas às portas de Paris. A 5/09, na primeira batalha do Marne, a contra-ofensiva rechaçou os exércitos alemães para o norte do país, onde se entrincheiraram; em seguida procuraram atingir as costas do canal da Mancha, num esforço para ganhar o controle da região. Mas em Yprès(30/10 --24/11/1914), essa 'corrida para o mar' dos alemães foi detida.

A frete ocidental.......................... ............................ ........... ,.... .......... (1915-1916).Cessada a guerra de manobras nessa frente, os exércitos alemão e franco-britânico postaram-se, frente a frente, numa linha que ia da Suíça à Mancha. Durante todo o ano de 1915, a situação ali se caracterizou pelo elevado número de assaltos, de resultados insignificantes. Em fevereiro de 1916, contudo, os alemães assestaram um importante ataque contra Verdun, tomando várias fortificações em torno da cidade. Encerrado o ataque, a defesa francesa tomou a dianteira da ofensiva aliada em Somme. A batalha custou 1 milhão de soldados para ambos os lados. Voltando daí a suas posições em torno de Verdun, os franceses prosseguiram na luta e, dois anos após, a situação ainda não se definira. Os dois exércitos encontravam-se em estado de completa exaustão.
Em abril de 1915, na Segunda batalha travada em Yprès, os alemães introduziram o uso de agressivos químicos. Também nesse ano começou-se a fazer uso de avião, utilizado especialmente como arma de observação; e dos zepelins, estes de grande importância no bombardeamento da zona do canal da Mancha. Na batalha de Somme, de 1916, os ingleses utilizaram, pela primeira vez, tanques de guerra(Churchill), que não eram mais que tratores blindados equipados com armas.

Campanha da Rússia...................................................... ........... ,.... ....... ... (1915-1917). Na frente oriental, lograram os russos fazer recuar os austríacos até a chamada Galícia, na Polônia. Com a queda de Przemyls(março de 1915), a situação tornou-se crítica, exigindo uma ofensiva conjunta austro-germânica, que fizesse retroceder os russos. Durante os meses de maio e abril, desenrolou-se o vitorioso ataque, e já em julho a Galícia polonesa, Bukovina e Courland estavam sob inteiro controle dos Poderes Centrais. Com outro grande ataque, a Polônia e a Lituânia caíram-lhe nas mãos. Em junho de 1916, foi desfechado o contra-ataque russo, na frente que ia dos Cárpatos ao Báltico; a despeito de sua melhor condição estratégica, os objetivos principais da campanha não foram totalmente atingidos, enquanto o moral das tropas decrescia assustadoramente. A situação inteira da política russa, por outro lado, era de crise. Abdicando o czar em março de 1917, o novo governo(Kerensky) iniciaram uma nova ofensiva na Galícia polonesa, virilmente repelida. Em setembro os alemães ocuparam Riga. Pouco depois se encerrava a participação russa na guerra. Os alemães apossaram-se da Letônia e das ilhas do Báltico e, em seguida à revolução de outubro, quando os bolchevistas tomaram o poder na Rússia, foi concertado um armistício entre as duas nações. Durante as negociações que se seguiram, reabriu-se a luta, mas a 03/03 o tratado de Brestlitovsk(pelo qual a Rússia cedeu Ucrânia, a Polônia, a Lituânia, a Finlândia, províncias do Báltico e o território da Armênia) pôs fim à contenda.

A Frente Italiana...................................................... ........... ,.... .......... (1915-1918). Apesar de signatária da Tríplice Aliança, firmada antes da guerra com Áustria e a Alemanha, a Itália recusava-se a entrar no conflito e a lutar pelos Poderes Centrais. Uma série de manobras diplomáticas foram, então, tentadas, já pela Alemanha, que prometia ceder alguns dos territórios da Áustria à Itália, já pelos Aliados que, finalmente, em abril de 1915, concluíram um tratado secreto com aquele país(tratado de Londres), pelo qual lhe seriam entregues o território da Áustria e um quinhão da partilha das colônias alemãs, no fim da guerra. Finalmente, a Itália declarou guerra ao império austro-húngaro (23-05-1915) e a luta se iniciou ao longo do eixo Isonzo-Trieste. Em setembro de 1917, a situação era ainda a mesma; no mês seguinte, porém, uma grande ofensiva conjunta dos Poderes Centrais fendeu a linha italiana, fazendo recuar suas tropas até Piave. Em junho de 1918, os austríacos tentaram um ataque a Piave, mas foram rechaçados. Esse acontecimento, somado ao colapso total da Áustria na guerra, transformou em êxito a jornada italiana. A 3 de novembro foi assinado o armistício em Viena.

Campanha da Turquia...... ................................................ ........... ,.... (1914-1918). A Turquia, que desde a deflagração da guerra se mantivera neutra, de súbito aderiu ao conflito, bombardeando (29-10-1914) vários portos russos do mar Negro. Daí por diante, passou a lutar com os Poderes Centrais, contra as forças aliadas. Em fins de 1914, a Turquia desferiu contra sua rival do Oriente Médio, a Rússia, uma grande ofensiva, de que resultou a decisão aliada de atacar os Dardanelos. A campanha, todavia, foi mal sucedida, e, em janeiro de 1916, suas tropas já tinham sido evacuadas da região. A luta, não obstante, prosseguiu no Oriente Médio, pelo anos 1915 e 1916. Com o auxílio dos árabes e graças às extraordinárias façanhas do coronel T. E. Lawrence( Lawrence da Arábia), o Reino Unido em sua incursão na Palestina(1917), logrou capturar Gaza, Jaffa e Jerusalém e, em outro ataque, levado a efeito no outono de 1918, desbaratou as forças turcas em Megido.

A guerra nos Bálcas........... ............................................ ........... ,.... .......... (1914-1917). O sudeste europeu foi palco de uma série de manobras diplomáticas, levadas a efeito tanto pelos Aliados quanto pelos Poderes Centrais, com o objetivo de atrair os países balcânicos. Finalmente, em outubro de 1915, em seguida ao desembarque das forças anglo-francesas em Salonica e ao ataque alemão à Sérvia, a Bulgária ingressou no conflito, apressando-se a coadjuvar os exércitos alemães na ofensiva. Em 1918, com a ajuda de contingentes itaianos, gregos e sérvios, a força anglo-britânica, sediada em Salonica, lançou-se contra Bulgária. Após uma semana de luta, os búlgaros pediram um armistício, que se consumou no dia 30/09. A Grécia, a princípio vacilante

Guerra Marítima e Aérea.................... .................................. ........... ,.... (1914-1918). Durante os dois primeiros anos da guerra, foi de pequena monta o número de combates navais. A Alemanha, que havia reunido uma poderosa esquadra, buscava dificultar os meios de comunicação dos Aliados, enquanto a Inglaterra se empenhava no bloqueio marítimo do inimigo, procurando debilitar suas forças. A 31/05/1916, no Skagerrak, ao largo da Jutlândia, enfrentaram-se, quase completas, as duas poderosas armadas. Embora as perdas inglesas houvessem sido maiores, foi a esquadra alemã, comandada pelo alm. Scheer, que, aproveitando a forte neblina da noite, frustou os planos de batalha do alm. Jellicoe, fugindo para sua base, de onde não mais efetiva, contudo , foi a levada a efeito pelos submarinos alemães. Tão extensos foram os resultados de sua utilização, especialmente contra cargueiros desarmados, que estes passaram a navegar em comboios, escoltados pela Marinha de Guerra, enquanto todo o continente se debilitava e passava privações. Desse modo, os bloqueios navais postos em prática pela Inglaterra e Alemanha passaram a ameaçar seriamente o tráfego marítimo mundial, e a crise atingiu também os interesses comerciais da grande potência neutra da guerra, os EUA. O afundamento do navio inglês "Lusitânia", a 07/05/1915, e os subseqüentes protestos dos EUA fizeram com que se retraísse a desenfreada campanha de afundamento levado a cabo pela Alemanha. Mas a 01/02/1917 uma nota alemã levou ao mundo a disposição do alto comando germânico de reencetar o programa de torpedeamento irrestritos. A imediata conseqüência deste ato foi a declaração do estado de beligerância entre a Alemanha e os EUA, cuja esquadra, mais tarde, muito veio a auxiliar na proteção da navegação aliada.

Os aviões passaram a ser utilizados com freqüência como arma de ataque na frente francesa. Os alemães bombardearam Paris e Londres, utilizando-se também dos aviões. Já no fim da guerra, a Inglaterra contava com uma apreciável esquadrilha, com a qual bombardeou cidades e centos industriais alemães.

Frente ocidental: vitória aliada............... .............. ....... (1917-1919). Os EUA declararam guerra à Alemanha a 06/04/1917. Enquanto isso, a situação da guerra no oeste da Europa permanecia estacionária. Em março e abril de 1918, contudo, os alemães reencetaram uma grande ofensiva em Champagne, conseguindo penetrar pelas linhas francesas, os exércitos alemães tiveram que retroceder, e, em fins de setembro, os reveses militares ocasionaram a queda do governo de Berlim. Em outubro, o novo governo do príncipe Max von Baden pedia o armistício com base na proposta dos Quatorze Pontos do presidente Woodrow Wilson, dos EUA, que se efetivou a 11 de novembro de 1918. Em seguida ao motim da esquadra alemã e às revoluções na Baviera e na Prússia, o imperador Guilherme II fugiu para os Países Baixos.

Participação do Brasil..... ................................................. ........... ,.... (1917-1918). Das 20 repúblicas latino-americanas, apenas oito participaram da guerra, ao lado dos Aliados: Brasil, Cuba, Costa Rica, Guatemala, Haiti, Honduras, Nicarágua e Panamá. Somente o Brasil e Cuba o fizeram por intermédio de forças militares e navais. A 26/10/1917, após a nota alemã sobre o bloqueio submarino total do Atlântico (31/01/1917) e o subseqüente torpedeamento de vários navios da Marinha Mercante brasileira, foi declarado o estado de guerra entre Brasil e Alemanha, seguiu-se o envio de alguns cruzadores ligeiros e contratorpedeiros, e de um grupo de dez aviadores do Corpo da Aviação Naval ao rei da Inglaterra como colaboração brasileira à causa aliada. Em Dakar, a peste fez 464 vítimas entre os 2.000 homens da Divisão Naval brasileira. Foi ainda enviada à França uma missão médica, composta de 100 cirurgiões, com o fim de prestar concurso profissional aos exércitos aliados. O Brasil fretou à França 30 navios alemães apreendidos. Assinado o armistício à 11/11/1918, em janeiro do ano seguinte o governo francês, em nome dos Aliados, convidou o Brasil a enviar representantes à Conferência de Paz, que haveria de reunir-se em Paris, a 18 do mesmo mês, e, mais tarde, em Versalhes, para assentar os termos de paz.

Conseqüências do Conflito...... ................................................ ........... Seu efeito mais imediato foi a devastação de extensas áreas na Europa. Calcula-se em cera de 15 milhões o número de vítimas, sendo de mias de 10 milhões o total de mortos nos campos de batalha. Segundo estudos feitos pelo prof. Ernest L. Bogart, da universidade de Illinois, nos EUA, seu custo total, quer em despesas diretas, quer em indiretas, decorrentes, ascendeu cerca de 338 bilhões de dólares. De outra parte, deixou todo o mundo, em especial, a arrasada Europa, em estado de crise e desequilíbrio. Ocorreram, em seguida, sucessivas revoluções políticas e sociais. Caíram muitas dinastias européias e o regime republicano estendeu-se por quase toda a Europa. Em vários países, a convulsão revolucionária e a terrível crise econômica deu ensejo ao estabelecimento de ditaduras. O debilitamento e o empobrecimento da Europa fizeram diminuir o seu crédito também em todo o mundo em benefício das potências americanas, como os EUA, e asiáticas, como o Japão. Causou ainda a baixa das moedas nacionais, a instabilidade do câmbio, a especulação e a carestia. Todas as nações estavam endividadas. Ao eclodir a crise econômica mundial de 19129, as condições dos países afetados pela guerra fizeram-se mais difíceis ainda. O império austro-húngaro, que sempre funcionara com admirável economia, viu-se reduzido a um Estado sem expressão, insulado e inviável. Os EUA recomendaram um ano de moratória para todas as transações internacionais e um verdadeiro caos financeiro afetou a Áustria, a Inglaterra, a Alemanha e mesmo os EUA. Com esta crise, começaram a surgir na Alemanha os primeiros protestos públicos contra o tratado de Versalhes. A Europa central tornava-se um conglomerado de pequenos Estados, com todos os problemas das minorias, numa situação inteiramente propiciatória à implantação, por um dos países mais poderosos, de hegemonia continental. Estava preparado o cenário da II Guerra Mundial.


A Grande depressão de 1929

A crise econômica desencadeada a partir de 1929, quando da quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque, reflete a crise mais geral do capitalismo liberal e da democracia liberal.

INTRODUÇÃO

A crise econômica desencadeada a partir de 1929, quando da quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque, reflete a crise mais geral do capitalismo liberal e da democracia liberal. No período entre guerras (1919 – 39), a economia procurou encontrar caminhos para sua recuperação, a partir do liberalismo de Estado, ao mesmo tempo em que consolidava-se o capitalismo monopolista. Mesmo nos EUA, as leis anti-trustes perdiam o efeito e grandes empresas – industriais e bancárias – tomavam conta do cenário econômico, protegidas pela política não intervencionista adotada principalmente a partir de 1921.

A PROSPERIDADE AMERICANA

Desde o final do século XIX, a indústria norte americana conheceu um grande crescimento, no quadro da Segunda Revolução Industrial.

Em 1912 foi eleito o presidente Woodrow Wilson, do Partido Democrata, a partir da defesa da Nova Liberdade, que começou a ser aplicada com a criação de leis trabalhistas específicas a algumas categorias profissionais como os marinheiros e de leis que pretendiam eliminar os grandes privilégios de pequenos grupos, através de mecanismos que coibiam o controle de mercado, aperfeiçoando a Lei Anti truste. No entanto o início da Primeira Guerra anulou essa política e a economia passou a ser dominada por Trustes, Holdings e Cartéis.

As transações de produtos industriais e agrícolas se ampliaram com a abertura de créditos aos aliados, seguida da concessão de empréstimos à Inglaterra e França.

A produção norte americana deu um salto gigantesco em vários setores, destacando-se a indústria bélica, de material de campanha, de alimentos e mesmo de setores destinados ao consumo interno, uma vez que o potencial de consumo no país aumentou com a elevação do nível de emprego; ou ainda para a exportação, principalmente para a América Latina, tomando o lugar que tradicionalmente coube à Inglaterra.

O PERÍODO ENTRE GUERRAS

Terminada a Guerra, realizou-se a Conferência de Paris, onde os três grandes tomaram as principais decisões e impuseram os tratados aos países vencidos. No entanto, apesar da participação do presidente Wilson, os EUA não criaram mecanismos que garantissem sua participação nas reparações de guerra ou o pagamento dos empréstimos e das vendas aos países aliados, ao mesmo tempo em que não reivindicaram nenhum território colonial.

O fim da guerra provocou a retração da economia norte americana, pois a industria de guerra diminuía o ritmo de produção, assim como os soldados que voltavam da guerra...

Para ver o trabalho na íntegra escolha uma das opções abaixo

Ou faça login



Crie seu cadastro




English Town